Polícias e Segurança Pública

O Brasil tem hoje 86 polícias, que compõem um mosaico institucional formado por mais de 1500 organizações públicas, de diferentes esferas e poderes, cujo trabalho impacta diretamente na segurança pública, porém estão frouxamente articuladas e integradas. 

Polícias e Segurança Pública é um curso que trata de diferentes pontos de vista sobre a complexa e multifacetada realidade que informa e guia as políticas de segurança pública e as ações policiais no Brasil.

O curso tem como objetivo dar voz aos diversos segmentos cujas ações impactam diretamente na prestação de serviço e na garantia do direito à segurança para a população brasileira.

Entre os principais temas que serão abordados, estão a militarização das polícias, governança e gestão, racismo e violência contra mulheres e a população LGBTQIA+, além da participação política e a radicalização entre as forças policiais no Brasil e no mundo.

 O curso é voltado para profissionais das secretarias e órgãos da segurança pública, seguranças, policiais, profissionais e estudantes das áreas de Direito, Administração Pública, Economia e Ciências Sociais, e para todas as pessoas interessadas na temática da segurança, da violência e da criminalidade.

Os professores e professoras possuem vasta experiência profissional na área, sendo que muitos ocupam ou ocuparam os mais altos postos da administração pública no país.

Para quem é o curso

N

Para quem quer saber como as polícias atuam

N

Para quem quer conhecer as atribuições legais da polícia

N

Para quem quer entender o funcionamento das facções de base prisional e das milícias

N

Para quem se preocupa com os índices de criminalidade, medo e violência no Brasil

POR QUE PARTICIPAR DO CURSO
Polícias e Segurança Pública

N

Para conhecer os padrões de policiamento

N

Para pensar nos desafios da redução da criminalidade e da violência

N

Para refletir sobre a crise democrática e o papel dos policiais como atores políticos de mudança estrutural

O que mais você vai encontrar no curso

N

Mais de 15h de conteúdo

N

Slides apresentados nas aulas

N

Acesso a renomados professores e profissionais da área

Coordenadores

Q

Raul Jungmann

Diretor-Presidente do IBRAM e Presidente do IREE Defesa & Segurança. Foi ministro da Reforma Agrária, da Defesa e da Segurança Pública do Brasil, presidente do Ibama (1995), presidente do Incra (1996-1999) e Ministro da Reforma Agrária (1999-2002). Foi eleito deputado federal em 2002, 2006 e 2014 e vereador de Recife em 2012. 

Raul Jungmann

Q

Renato Sérgio de Lima

Diretor Presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e Professor da FGV EAESP. Doutor em Sociologia pela USP, com Pós Doutorado pelo Instituto de Economia da UNICAMP. 

Renato Sérgio de Lima

Professores

Q

Bruno Paes Manso

Bruno Paes Manso é graduado em Economia pela Universidade de São Paulo e jornalismo pela PUC-SP. Possui mestrado e doutorado em ciência política pela USP. Trabalhou mais de 20 anos em diversos jornais e revistas, foi um dos fundadores da Ponte Jornalismo e atualmente é pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP. É coautor do livro “A Guerra – ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil” (escrito com Camila Nunes Dias) e autor de “A República das Milícias – dos esquadrões da morte à Era Bolsonaro”, ambos pela Todavia. 

Bruno Paes Manso

Q

Carlos Alberto dos Santos Cruz

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz é engenheiro civil formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Durante sua carreira comandou pelotões, companhias e como coronel comandou o 43 Batalhão de Infantaria Motorizado (Cristalina – Goiás). Nos anos de 1995 e 1996, como tenente-coronel, foi graduado no nível de política e estratégia no United States Army War College (Carlisle – Pensilvânia – Estados Unidos da América) e nos anos de 2001 e 2002, foi Adido Militar na embaixada do Brasil em Moscou – Rússia. Como general-de-brigada comandou a 13 Brigada de Infantaria Motorizada em Cuiabá – Mato Grosso. De janeiro de 2007 a abril de 2009 comandou as tropas da Organização das Nações Unidas (ONU) na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH). De abril de 2009 a abril de 2011 comandou a Segunda Divisão de Exército (São Paulo – SP). Após isso foi subcomandante de Operações Terrestres em Brasília – DF. Durante o ano de 2010 foi conselheiro do Banco Mundial para a elaboração do Relatório de Desenvolvimento Mundial 2011. Em 2012 fez parte do grupo de conselheiros da ONU para a revisão do reembolso aos países contribuintes de tropas em missões de paz. O general Santos Cruz foi para a reserva do Exército Brasileiro em dezembro de 2012 e após isso foi chefe da Seção de Assuntos Militares da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Em maio de 2013 retornou para o serviço ativo do Exército e foi designado pelo Secretário Geral da ONU como comandante das tropas daquela organização na Missão das Nações Unidas para a Estabilização da República Democrática do Congo (MONUSCO), tendo sido o comandante das tropas daquela Missão de 26 de maio de 2013 a 2 de dezembro de 2015. Em janeiro de 2016, participou do Fórum Econômico Mundial em Davos – Suíça, onde foi palestrante no painel Building Peace from the Base.  De março de 2016 a março de 2017 coordenou o projeto Força Terrestre 2035 (FT 35), na Terceira Subchefia do Estado-Maior do Exército. Ainda no final de 2017 foi designado pelo Secretário Geral da Organização das Nações Unidas para elaborar o relatório “Improving Security in Peacekeeping Operations”. De abril de 2017 a junho de 2018 exerceu a função de Secretário Nacional de Segurança Pública. De 1 de janeiro a 13 de junho de 2019 foi Ministro Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República. Em dezembro 2019 foi designado pela ONU para elaborar relatório sobre a Brigada de Intervenção na MONUSCO e o apoio ao trabalho humanitário para combater o surto de ebola no leste da República Democrática do Congo. Já participou como orientador e mentor (no Japão, Coréia do Sul, Bangladesh e Estados Unidos) de cursos de preparação de líderes civis e militares para as altas funções das missões de paz da ONU. 

Carlos Alberto dos Santos Cruz

Q

Cassio Thyone

Perito criminal da Polícia Civil do Distrito Federal, aposentado em 2016 com 23 anos de carreira. É perito judicial, assistente técnico e consultor em processos cíveis e criminais desde janeiro de 2017, cadastrado no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). 

Professor da Academia de Polícia Civil do DF, na Academia Nacional de Polícia da Polícia Federal, na Força Nacional de Segurança Pública e em Cursos de Pós-graduação em Criminalística e Direito (Instituto Nacional de Perícias e Ciências Forenses – INFOR; Faculdade Projeção, Instituto de Estudos Farmacêuticos – IFAR; Iccaros Instituto de Ciências Aplicadas; Instituto Keynes; UNIPE – Centro Universitário de João Pessoa-PB; IECSA – Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências da Saúde de Macapá; Escola do Legislativo Prof. Wilson Brandão; DALMASS – Escola de Líderes). Ex-Professor de Medicina Legal da UDF – Brasília, no curso de Direito. 

Autor do capítulo “Perícias em Locais de Crimes Contra a Pessoa”, na obra “Criminalística – Metodologias e Procedimentos”; do Anexo sobre Perícia no Manual de Referência para Ouvidores de Polícia do Brasil (Secretaria Especial de Direitos Humanos); coautor do Capítulo 2 do livro “Datiloscopia e Revelação de Impressões Digitais” e coautor do “Plano de Contingência da PCDF para Atuação em Eventos Fatais com Multidão.” 

Cassio Thyone

Q

Daniel Cerqueira

Doutor em Economia pela PUC-Rio, mestre e bacharel em Economia pela EPGE/FGV e Universidade Santa Úrsula, respectivamente. Foi analista do Banco Central do Brasil. Desde 1995 é pesquisador do Ipea, tendo sido diretor de Estudos do Estado, das Instituições e da Democracia, entre 2012 e 2015. Lecionou durante 20 anos nos MBAs da FGV. Atualmente é diretor-presidente do Instituto Jones dos Santos Neves, professor do programa de mestrado em segurança pública da UVV e conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança pública. Criador e coordenador do Atlas da Violência, Daniel Cerqueira pesquisa violência e segurança pública há mais de 20 anos, tendo escrito dezenas de artigos e capítulos de livro, sendo que a sua tese de doutorado, Causas e Consequências do Crime no Brasil, foi a única a receber os dois principais prêmios de economia do país, do BNDES e da Associação Nacional de Centros de Pós-Graduação em Economia (ANPEC). 

Daniel Cerqueira

Q

Denice Santiago

Denice Santiago Santos do Rosário é negra, mãe de João Paulo, componente da primeira turma de mulheres da PMBA (sargento e de oficial), Major da PMBA, doutoranda pelo Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Mulher, Gênero e Feminismo e mestre em Desenvolvimento Territorial e Gestão Social, ambos pela Universidade Federal da Bahia, pós-graduada em Gestão em Direitos Humanos pela Universidade do Estado da Bahia, graduada em Psicologia pela Faculdade da Cidade, graduada em Segurança Pública pela APM/UNEB.  

Idealizadora e cocriadora do projeto AMETrânsito (Agentes Multiplicadores de Trânsito) no DETRAN Bahia; idealizadora e comandante da Ronda Maria da Penha na PMBA; idealizadora e fundadora do Centro Maria Felipa – núcleo de gênero da PMBA, único no país. 

Contemplada com o Prêmio Edialeda Salgado pela Secretaria Municipal de Reparação de Salvador e com o Prêmio Mulheres Guerreiras Maria Felipa pela Câmara Municipal de Salvador; vencedora do Diploma Mulher Cidadã Bertha Lutz 2017, concedido pelo Senado Federal; vencedora do Prêmio Claudia na categoria Políticas Públicas 2017; vencedora do Prêmio Barra Mulher 2017; primeira vencedora do Prêmio Práticas Inovadoras no Enfrentamento à Violência Contra A Mulher, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública; ganhadora da Medalha do Mérito Brigadeiro Falcão da Polícia Militar do Maranhão, da Medalha do Mérito Policial Militar dos estados da Bahia e Sergipe e da Medalha do Mérito do Ministério Público da Bahia. 

Comendadora da Cidade de Salvador (Comenda Maria Quitéria) e Comendadora do Estado da Bahia pela Assembleia Legislativa do Estado da Bahia. Título de cidadã das cidades de Itabuna e Jacobina.

Denice Santiago

Q

Gilmar Ferreira Mendes

Gilmar Ferreira Mendes possui graduação em Direito pela Universidade de Brasília (UNB), mestrado em Direito pela UNB e mestrado e doutorado em Direito pela University of Münster.  

É presidente da Comissão de Acompanhamento do Centro de Investigação de Direito Público da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (CIDP), professor visitante da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), membro-permanente da Comissão Europeia para a Democracia através do Direito, professor dos cursos de graduação, pós-Graduação latu sensu, mestrado e doutorado do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). 
 
Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Constitucional, atuando principalmente nos campos do Direito Constitucional, Direito, Controle de Constitucionalidade, Controle de Constitucionalidade e Jurisdição Constitucional. 

Gilmar Ferreira Mendes

Q

Isabel Figueiredo

Isabel Figueiredo, é advogada, mestre em Direito Constitucional pela PUC-SP e Especialista em Gestão Pública pela ENAP. Foi Secretária-Adjunta de Segurança Pública do Distrito Federal (2015), Diretora da Secretaria Nacional de Segurança Pública (2011 a 2014), Assessora Especial do Ministro da Justiça (2010) e Coordenadora Geral de Direitos Humanos e Segurança Pública da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (2007 a 2010). Foi consultora do Banco Mundial e do PNUD e é consultora sênior do Fórum Brasileiro de Segurança Pública desde 2016. 


Tem ampla experiência na formulação de políticas públicas de segurança e desenvolve pesquisas sobre governança, Sistema de Segurança Pública e Justiça Criminal, controle de armas, redução e investigação de homicídios, controle da atividade policial, perícia criminal e uso da força por profissionais de segurança. 

Isabel Figueiredo

Q

Jacqueline Sinhoretto

Tem graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1995), mestrado (2001) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2007). É professora associada da Universidade Federal de São Carlos / Departamento de Sociologia e PPGS. Lidera o Grupo de Estudos sobre Violência e Administração de Conflitos da UFSCar. Realizou estágio pós-doutoral na Université de Toulouse – Le Mirail, com bolsa Hermès da Fondation Maison des Sciences de L’Homme (França, 2009). Professora visitante na Université de Toulouse Jean Jaurès, na Cátedra de Estudos sobre América Latina do IPEAT, (França, 2014). Pesquisadora Visitante da Chaire de recherche du Canada sur traditions juridiques et rationalité pénal, Faculdade de Ciências Sociais, Universidade de Ottawa (Canadá, 2019-2020) Tem experiência em Sociologia da Administração da justiça e Sociologia da Violência, atuando principalmente nos seguintes temas: administração institucional de conflitos, acesso à justiça, violência, segurança pública, sistema de justiça, prisões, controle estatal do crime. É pesquisadora do INCT Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos e Bolsista de Produtividade 1D do CNPq. Seu livro mais recente é “Policiamento Ostensivo e relações raciais: estudo comparado sobre formas contemporâneas de controle do crime”, Autografia/InEAC: 2021. 

Jacqueline Sinhoretto

Q

Lawrence Sherman

Lawrence Sherman é Diretor do Centro de Cambridge para Policiamento Baseado em Evidências e Professor de Criminologia Emérito da Universidade de Cambridge, onde ele também é ex-Diretor (2012-2017) do Instituto de Criminologia. Atualmente atua como Diretor do Centro Jerry Lee de Criminologia Experimental do Instituto. Sua palestra de 1998 sobre “Policiamento Baseado em Evidências” é amplamente reconhecida como ponto de partida de um movimento global que gerou sociedades profissionais para o policiamento baseado em evidências no Reino Unido, Austrália, Canadá e EUA, agora com mais de 5 mil membros. Lawrence Sherman tem atuado como Presidente Honorário da Society of Evidence-Based Policing (UK) desde sua formação em 2010, e é o editor-chefe fundador do Cambridge Journal of Evidence-Based Policing, lançado em 2017. Ele também é Diretor do Programa Executivo da Polícia de Cambridge, oferecendo um mestrado em tempo parcial em Criminologia Aplicada e Gestão Policial na Universidade de Cambridge, com mais de 170 estudantes de dez países.  

Lawrence Sherman

Q

Luís Geraldo SantAna Lanfredi

Luís Geraldo Sant’Ana Lanfredi é juiz de direito no Estado de São Paulo. 
 
É Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça e Coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Cumprimento das medidas Socioeducativas (DMF-CNJ). 
 
Mestre em Direito Processual Penal pela Universidade de São Paulo (USP) e em Criminologia e Sociologia Jurídico-Penal pela Universidade de Barcelona (UB), onde também se especializou em “Prisão e Direito Penitenciário”. Foi pesquisador visitante nas Faculdades de Direito da Universidade de Coimbra (Portugal) e na Facoltà de Giurisprudenza della Università Degli Studi di Lecce (Itália). É Doutorando em Direito Penal e Ciências Políticas pela Universidade de Barcelona (UB).  
 
No biênio de 2012-2014 ocupou a Vice-presidência do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) do Ministério da Justiça.  
 
É Professor Assistente da Escola Paulista da Magistratura e Professor Emérito da Especialização em Direito Penal, Processo Penal e Criminologia da Escola Superior de Advocacia. 

Luís Geraldo SantAna Lanfredi

Q

Melina Risso

Melina Risso é doutora e mestre em Administração Pública e Governo pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e coautora do livro “Segurança Pública para Virar o Jogo”. Atualmente é diretora de programas do Instituto Igarapé e conselheira de diversas organizações do terceiro setor. Trabalha e pesquisa diferentes temas da agenda pública, entre eles segurança pública, segurança climática, cidades, governança e direitos digitais.  

Melina fez parte de diferentes conselhos nacionais de políticas públicas. É membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e consultora do programa Juntos da Comunitas.

Melina Risso

Q

Murilo Rodrigues Cavalcanti 

Murilo Cavalcanti é administrador de empresas, Secretário de Segurança Cidadã da Prefeitura da Cidade do Recife e Professor Titular do curso de pós-graduação de Urbanismo Social do INSPER-SP. Especialista em políticas públicas de prevenção à violência urbana. Foi responsável pela concepção e modelo de gestão dos Centros Comunitários da Paz – os COMPAZ, equipamentos públicos voltados para a promoção da cidadania, educação, cultura de paz e não violência, implantados na capital pernambucana.  

Em 2019, a rede COMPAZ recebeu o prêmio da Oxfam Brasil / Cidades Sustentáveis, como equipamento que mais reduziu a desigualdade social no Brasil. No mesmo ano, a convite do Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), participou do Programa de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Nos últimos 15 anos, visitou 34 vezes as cidades de Bogotá e Medellín, na Colômbia, o que resultou no livro “As Lições de Bogotá e Medellín – Do Caos à Referência Mundial”.  

É um incansável estudioso das transformações urbanísticas, de cidadania e reversão da violência urbana das cidades de Bogotá e Medellín, na Colômbia. Murilo também virou um estudioso de como o urbanismo social é uma poderosa ferramenta para tornar as cidades mais equitativas, mais justas e menos desiguais. 

 

Murilo Rodrigues Cavalcanti 

Q

Raquel Dodge

Raquel Elias Ferreira Dodge foi a 41ª Procuradora-Geral da República e a 7ª Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público. Foi Procuradora-Geral Eleitoral e Presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal. Foi a primeira mulher a ocupar estas posições. É Mestre em Direito pela Universidade Harvard (2007), onde também foi Pesquisadora Visitante (2007-2008), Visiting Fellow (2005-2006 e 2008) Global Advocacy Fellow e premiada com a Gammon Fellowship do Programa de Pós-Graduação (2006-2007). É fundadora e primeira presidente do Instituto Global do Ministério Público para o Ambiente (2018-2019).  

Raquel Dodge

Q

Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo

Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo é Doutor em Sociologia pela UFRGS (2003), com pós-doutorado em Criminologia (Universitat Pompeu Fabra e UOttawa). É Professor Titular da Escola de Direito da PUCRS, e atua nos Programas de Pós-Graduação em Ciências Criminais e em Ciências Sociais da PUC-RS. É associado sênior do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, membro do Comitê Gestor do INCT-InEAC, e coordenador do Comitê de Pesquisa em Violência e Sociedade da Sociedade Brasileira de Sociologia. Autor, entre outras, das seguintes obras: “Informalização da Justiça e Controle Social” (2000), “Relações de Gênero e Justiça Penal” (2009), “Crime, Polícia e Justiça no Brasil” (2014) e “Tendências do Controle Penal na Modernidade Periférica” (2019).

Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo

Q

Thiago Amparo

Thiago de Souza Amparo é professor da FGV Direito SP e da FGV Relações Internacionais, ministrando cursos sobre direitos humanos, direito internacional, políticas públicas, diversidade e discriminação. É advogado com bacharelado pela PUC-SP, possui mestrado em direitos humanos (LLM) pela Central European University (Budapeste, Hungria) e doutorado pela mesma universidade. Foi pesquisador visitante na Universidade de Columbia (Nova Iorque – Estados Unidos). Especialista em direito constitucional, políticas públicas e empresariais de diversidade e antidiscriminação. Coordenador do Núcleo de Justiça Racial e Direito da FGV. É colunista semanal no Jornal Folha de S. Paulo e participa da Aliança Jurídica pela Equidade Racial. Foi secretário-adjunto de direitos humanos e cidadania na Prefeitura de São Paulo, entre janeiro e maio de 2017. Faz estágio de pós-doutorado na Universidade de Nova York no 2o semestre de 2021. 

Thiago Amparo

O que você vai aprender no CURSO
Polícias e Segurança Pública

 

Aula 1

Condicionantes socioeconômicos e institucionais do crime e da violência

Um panorama da realidade da segurança pública com base nas evidências e dados disponíveis, de modo a permitir a compreensão das múltiplas faces que compõem o mosaico de medo, violência e insegurança no Brasil. A aula também mostrará como vulnerabilidades sociais, raciais, de gênero e geracionais influenciam e são influenciadas pelas ações públicas na área.

Daniel Cerqueira

Aula 2

Violência contra mulheres e meninas

Dados sobre a violência contra mulheres e meninas e as diversas ações e políticas públicas formuladas e implementadas para prevenir e enfrentar o problema.

Denice Santiago

Aula 3

Racismo e Polícias

A aula mostra como práticas policiais estão em muito influenciadas pelo racismo estrutural e institucional vigente na sociedade brasileira e reflete sobre a violência letal contra negros em ações policiais.

Jacqueline Sinhoretto

Aula 4

Descolonizando Respostas Jurídicas à Necropolítica

O reposicionamento da centralidade da narrativa sobre violência policial contra negros, a crise democrática, o papel dos policiais como atores políticos de mudança estrutural, uma discussão no STF sobre a ADPF 635: Favelas pela Vida e apresentação do conceito de necropolítica.

Thiago Amparo

Aula 5

Crime Organizado e Milícias

A emergência e as características do problema das facções de base prisional e das milícias no controle de territórios de favelas e comunidades no país e como isso afeta diretamente a segurança da população.

Bruno Paes Manso

Aula 6

Crimes Ambientais e Fronteiras

A aula pretende fazer um balanço das diversas ilegalidade que formam o cenário do crime ambiental no país com foco na Amazônia, e como elas estão sendo enfrentadas pelo Poder Público.

Melina Risso

Aula 7

Integração das Agências de Segurança Pública

Como Forças Armadas, Polícias, Bombeiros e Guardas Municipais podem atuar de forma integrada e coordenada diante dos desafios atuais do país? Esta é a pergunta que guiará a aula.

Carlos Alberto dos Santos Cruz

Aula 8

Polícias, Direitos Humanos e Planos de Governo

Apresentação das ações do Executivo Federal na segurança pública e discussão dos focos e prioridades que têm sido assumidos desde 1988.

Isabel Seixas de Figueiredo

Aula 9

Policiamento Baseado em Evidências, Novas Ferramentas Tecnológicas e Análise Preditiva

A palestra do criador do padrão de policiamento baseado em evidências falará sobre o método e o uso de novas tecnologias para a análise e predição de crimes no mundo.

Lawrence Sherman

Aula 10

O Papel das Perícias

Discussão do papel das perícias na investigação de homicídios no Brasil e de que forma a atuação integrada para garantir a cadeia de custódia das evidências de crimes é fundamental para o esclarecimento deste tipo de crime no Brasil.

Cássio Thyone

Aula 11

O papel do Judiciário na Segurança Pública

O papel do Judiciário na segurança pública e os desafios atuais para a redução da criminalidade e da violência.

Gilmar Mendes  

Aula 12

Polícia e Justiça Criminal

Discussão das conexões entre o sistema de segurança pública, que não se resume apenas à esfera penal, com o sistema de justiça criminal e prisional.

Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo

Aula 13

A Importância dos Municípios para a Segurança Pública

O papel dos municípios na segurança pública e apresentação do ComPaz, programa de prevenção da violência de Recife, Pernambuco.

Murilo Cavalcanti

Aula 14

Prisões e Polícias

A aula apresentará o esforço do DMF/CNJ na reestruturação da política criminal e penitenciária.

Luís Geraldo Lanfredi

Aula 15

O papel do Ministério Público na Segurança Pública

O que é o Ministério Público Brasileiro, qual é a sua função institucional e como ele exerce o controle externo da atividade policial?

Raquel Dodge

Depoimentos

Inscrição

Tenha acesso ao catálogo de cursos exclusivos do KOPE com mais de 400 horas de conteúdo para assistir online, em qualquer lugar, a partir de 35 reais por mês. Sem taxas de cancelamento, você encerra sua assinatura quando quiser.

Trimestral

R$ 43,60

POR MÊS

Ou R$130,80 à vista no boleto

Semestral

R$ 40,00

POR MÊS

Ou R$240,00 à vista no boleto

Anual

R$ 35,00

POR MÊS

Ou R$420 à vista no boleto

Perguntas e respostas

Qual a carga horária?

A carga horária é de 15 horas.

As aulas são ao vivo ou ficarão disponíveis para que cada aluno assista de acordo com a sua disponibilidade?

As aulas são gravadas e começarão a ser disponibilizadas aos alunos a partir de  junho  de 2022.

Qual será o horário do curso?
As aulas serão disponibilizadas de acordo com o cronograma e poderão ser assistidas no horário de preferência do aluno.
Haverá certificado de conclusão?
Sim, um certificado será emitido aos alunos que assistirem a no mínimo 95% das aulas.

Conheça mais cursos

Olá, gostaria de mais informações?