Aulas disponíveis a partir de 24 de julho de 2021.

Soluções para o Brasil

O Brasil vive hoje a maior crise da nossa geração. Uma crise com várias dimensões: sanitária, econômica, social, política. Uma crise de destino e de projeto.

O que explica a crise que enfrentamos agora?

E o que dizem os especialistas sobre as formas de superar seus impasses e contradições?

Soluções para o Brasil é um curso que propõe um debate aprofundado sobre temas como o meio ambiente, a desigualdade, a fome, o direito à cidade, o racismo, a saúde e a segurança pública, entre outros tópicos fundamentais para entender os problemas que assolam o país.

Nele, especialistas do mundo todo – como o linguista e ativista político Noam Chomsky, o ganhador do prêmio Nobel, Joseph Stiglitz, o jurista Silvio Almeida e a líder indígena Sonia Guajajara – traçam seus diagnósticos sobre a conjuntura atual e avaliam perspectivas para as mudanças necessárias para o país, em aulas exclusivas conduzidas por Guilherme Boulos, professor e coordenador do curso.

O formato também é único: este é o primeiro curso lançado pelo IREE Escola Kope que não tem prazo para terminar, já que novas aulas serão constantemente adicionadas ao programa, mantendo o caráter inovador de sua proposta. As primeiras cinco aulas estarão disponíveis a partir do dia 24 de julho, e as demais serão publicadas uma vez por semana, trazendo sempre um repertório amplo e aprofundado, que busca atender às necessidades do presente.

Voltado a todos que se interessam pelos dilemas brasileiros, as inscrições são abertas para pessoas de todas as áreas do conhecimento.

Para quem é o curso

N

Para quem quer refletir sobre as contradições e os dilemas do Brasil

N

Para quem busca refletir sobre soluções para a vida em sociedade

N

Para quem deseja entender as dificuldades e retrocessos em torno da questão indígena

N

Para quem quer compreender os possíveis caminhos para a retomada de um ambiente democrático

POR QUE PARTICIPAR DO CURSO
SOLUÇÕES PARA O BRASIL

N

Para compreender as relações de poder no Brasil

N

Para pensar sobre as consequências da atual conjuntura política e urbana

N

Para quem acredita que o futuro do país passa por mudanças sociais

N

Para refletir sobre problemas do neoliberalismo

N

Para conhecer os olhares de grandes personalidades do pensamento nacional e internacional

O que mais você vai encontrar no curso

N

Acesso a renomados professores de grandes universidades do Brasil e do exterior

N

Acesso às aulas por 1 ano

N

Desconto em outros cursos da IREE Escola Kope e outros benefícios

N

Veja os vídeos das aulas mesmo quando estiver sem internet através do App Sparkle

Coordenador

Q

Guilherme Boulos

Graduado em Filosofia pela FFLCH-USP, especializado em Psicologia Clínica pela PUC/SP e mestre em psiquiatria pela Faculdade de Medicina da USP. Foi professor da rede pública de ensino do Estado de São Paulo, da Faculdade de Mauá e da Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

É coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, membro da direção da Frente Povo Sem Medo e Coordenador Geral do Instituto Democratize. Foi candidato à Presidência da República em 2018 pelo PSOL.

Guilherme Boulos

Supervisores científicos

Q

Walfrido Warde

Walfrido Warde é Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, bacharel em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Master of Laws pela Universidade de Nova York.

Doutor em Direito pela Universidade de São Paulo, quatro vezes pesquisador bolsista no Max-Planck-Institut für ausländisches und internationales Privatrecht, autor de dezenas de livros e artigos e autor do best seller “O espetáculo da corrupção”. Presidente do IREE.

Walfrido Warde

Q

Rafael Valim

Rafael Valim é Doutor e mestre em Direito Administrativo pela PUC-SP, onde lecionou de 2015 a 2018, atualmente é professor visitante na University of Manchester (Inglaterra), na Université Le Havre Normandie (França), na Universidad Panamericana (México) e na Universidad de Comahue (Argentina). É Diretor Cultural do IREE, membro do Instituto Internacional de Derecho Administrativo, do Foro Iberoamericano de Derecho Administrativo e do Instituto Brasileiro de Direito Administrativo. Advogado e parecerista.

Rafael Valim

Professores

Q

Benjamin Teitelbaum

Benjamin Raphael Teitelbaum é um etnógrafo e comentarista político americano, professor assistente de Etnomusicologia da Universidade do Colorado e ex-chefe de Estudos Nórdicos da mesma instituição. É conhecido por sua pesquisa etnográfica em grupos de extrema-direita da Escandinávia e comentários sobre imigração. Teitelbaum é frequentemente citado como especialista na mídia escandinava e americana, além de ser autor dos livros “Leões do Norte: sons do novo nacionalismo radical nórdico” (Oxford University Press, 2017), um estudo etnográfico de nacionalistas radicais na Escandinávia, e de “Guerra pela Eternidade” (UNICAMP, 2020), um ensaio sobre a influência da escola perenialista sobre figuras contemporâneas associadas à extrema-direita.

Benjamin Teitelbaum

Q

Cas Mudde

É um cientista político holandês que estuda o extremismo político e o populismo na Europa e nos Estados Unidos. Sua pesquisa inclui partidos políticos, extremismo, democracia, sociedade civil e política europeia.

Mudde foi professor visitante no Instituto de Ética Janet Prindle e professor associado visitante no departamento de Ciências Políticas da Universidade DePauw, em Greencastle, Indiana.

De 1999 a 2002, foi professor assistente na Universidade de Edimburgo, e, de 2002 a 2010, foi assistente e, depois, professor associado na Universidade de Antuérpia, na Bélgica. Desde 2010, leciona um seminário sobre o movimento de Direita Radical na Europa na Universidade DePauw. É professor associado de Relações Internacionais na Universidade de Geórgia. É também professor adjunto no Centro de Investigação sobre Extremismo (C-REX) da Universidade de Oslo.

É o cofundador e convocador do ECPR (Consórcio Europeu para Pesquisa Política), Grupo Permanente sobre Extremismo e Democracia. É membro do Comitê de Conceitos e Métodos da IPSA (Associação Internacional de Ciência Política) e faz parte dos conselhos editoriais de revistas acadêmicas tais como “Acta Politica”, “Democracia e Segurança”, “Padrões do Preconceito”, “Política na Europa Central” e o “Jornal da Política”.

Mudde é autor de vários livros e artigos, e em 2008 recebeu o Prêmio Stein Rokkan de Pesquisa Comparativa em Ciências Sociais.

Cas Mudde

Q

Deborah Duprat

Deborah Duprat foi subprocuradora-geral da República e integrou o Ministério Público Federal (MPF) por mais de três décadas. Com longa trajetória na defesa dos Direitos Humanos, foi vice-procuradora-geral da República (2009-2013), tendo ocupado interinamente o cargo de procuradora-geral em 2009. Até maio de 2020, esteve à frente da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do MPF que atua na promoção e proteção dessas garantias, desempenhando papel de ombudsman nacional. 

Deborah Duprat

Q

Deise Benedito

Fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra e do Fórum Nacional de Mulheres Negras. Atualmente é Assessora Técnica na Área de Segurança Pública e Direitos Humanos da Liderança do PSOL, na Câmara Federal dos Deputados.  

Foi membro da Fala Preta Organização de Mulheres Negras e assessora técnica da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos, vinculada à Diretoria do Departamento de Promoção e Defesa da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Ex-Perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, vinculado ao Ministério de Direitos Humanos da Presidência da República. 

Graduada em Direito, com especialização em Relações Étnico Raciais, Gênero, Segurança Pública e Sistema Prisional. Mestre em Direito e Criminologia pela UnB. 

Deise Benedito

Q

Deisy Ventura

Professora titular de Ética da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP), onde é coordenadora do programa de pós-Graduação em Saúde Global e Sustentabilidade. É também professora do programa de pós-graduação em Relações Internacionais do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP, onde fez sua livre-docência em Direito Internacional (2012) e lecionou de 2008 a 2018. É presidente da Associação Brasileira de Relações Internacionais – ABRI (2019-2021). É membro do Comitê de Assessoramento (CA) Direito do CNPq, desde 2019. É doutora em Direito Internacional e mestre em Direito Comunitário e Europeu da Universidade de Paris 1, Panthéon-Sorbonne. Graduada em Direito e mestre em Integração latino-americana pela Universidade Federal de Santa Maria. Foi chefe do departamento de Saúde Ambiental da FSP/USP, entre 2018 e 2020. É editora-executiva da Revista Saúde e Sociedade e membro do NAP-DISA (Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário) da FSP/USP. É membro da Comissão de Ética da USP (2020-2021). É membro da Comissão Lancet sobre sinergias entre cobertura universal de saúde, segurança sanitária e promoção da saúde, desde 2018. Entre maio de 2020 e março de 2021, foi consultora de temas relacionados à pandemia da Sala de Coordenação e Resposta à Covid-19 (SACROI-Covid-19) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). Exerceu a Cátedra Simon Bolívar do Instituto de Altos Estudos da América Latina da Universidade de Paris 3 (Sorbonne-Nouvelle), foi professora convidada de Sciences-Po Paris (Ciclo Ibero-americano de Poitiers) e convidada do Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento (IHEID) de Genebra no programa Bolsista Global do Sul em Residência. Foi consultora jurídica da Secretaria do Mercosul (Montevidéu, 2003-2006). Publicou 15 livros sobre temas internacionais e de educação jurídica. Coordenou no IRI/USP os projetos de extensão universitária sobre direitos dos migrantes internacionais “Educar para o Mundo” (2009-2013) e “São Paulo Cosmópolis” (parceria com a Prefeitura Municipal de São Paulo, 2013-2017). Seus temas atuais de pesquisa são a ética da saúde global, em especial os enfoques de direitos humanos das pandemias e das emergências internacionais de saúde pública; a permeabilidade entre as dimensões nacional e internacional da regulação, particularmente no campo da saúde global e da mobilidade humana internacional; e o emprego da arte na formação superior.

Deisy Ventura

Q

Emicida

Leandro Roque de Oliveira, mais conhecido como Emicida, é rapper, compositor, poeta, desenhista, escritor e apresentador. Nasceu na Zona Norte de São Paulo e começou a ganhar destaque na cena musical por sua participação em batalhas de freestyle. É fundador, ao lado do seu irmão Evandro Fióti, da empresa Laboratório Fantasma e atualmente integra o quarteto do Papo de Segunda, no GNT.

Seu primeiro lançamento “Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até que Eu Cheguei Longe”, em 2009, o levou aos principais festivais do Brasil e do mundo, incluindo Rock in Rio, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (EUA). Em 2019, lançou seu quinto álbum, “AmarElo”, que esteve nas principais listas de melhores discos do ano e teve o show de estreia no Theatro Municipal de São Paulo, premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Emicida

Q

Gastão Wagner de Sousa Campos

Gastão Wagner é médico sanitarista e professor titular de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Unicamp. Autor de artigos científicos e de vários livros didáticos e sobre Saúde Publica.

Gastão Wagner

Q

Guilherme Boulos

Graduado em Filosofia pela FFLCH-USP, especializado em Psicologia Clínica pela PUC/SP e mestre em psiquiatria pela Faculdade de Medicina da USP. Foi professor da rede pública de ensino do Estado de São Paulo, da Faculdade de Mauá e da Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

É coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, membro da direção da Frente Povo Sem Medo e Coordenador Geral do Instituto Democratize. Foi candidato à Presidência da República em 2018 pelo PSOL.

Guilherme Boulos

Q

James Galbraith

James K. Galbraith é presidente e professor da Escola Lyndon B. Johnson de Relações Públicas e dá aulas no departamento de governo da Universidade do Texas, em Austin. Ele também é bolsista sênior do Instituto Levy de Economia do Bard College e faz parte do comitê executivo da Associação Mundial de Economia, criada em 2011.

Galbraith é formado pela Universidade de Harvard e doutor em Economia pela Universidade de Yale. Foi diretor executivo do Comitê Econômico Conjunto do Congresso dos Estados Unidos no início dos anos 1980. Presidiu o Conselho “Economistas pela Paz e Segurança” de 1996 a 2016 (www.epsusa.org) e dirige o Projeto sobre Desigualdade da Universidade do Texas (http://utip.lbj.utexas.edu). Ele é editor executivo de Mudança Estrutural e Dinâmica Econômica.

Em 2010, ele foi eleito para a Accademia Nazionale dei Lincei. Em 2014 foi co-vencedor com Angus Deaton do Prêmio Leontief para o Avanço das Fronteiras Econômicas. Em 2020, recebeu o Prêmio Veblen-Commons da Associação para a Economia Evolutiva.

James Galbraith

Q

João Paulo Rodrigues Chaves

João Paulo Rodrigues, agricultor e assentado de reforma agrária, membro da Coordenação Nacional do MST (Movimento Sem Terra), formado em Ciências Sociais, com artigos e entrevistas sobre tema publicado em várias blogs e páginas de internet. Também tem participado de seminários e eventos nas universidades brasileiras e várias em outros país. 

João Paulo

Q

José Graziano da Silva

José Graziano da Silva é professor titular aposentado do Instituto de Economia da UNICAMP. Engenheiro agrônomo pela ESALQ/USP, doutor em Economia pela UNICAMP, possui 2 pós-doutorados (um pela Universidade de Londres e outro pela Universidade da Califórnia) e vários títulos de doutor “honoris causae” por universidades da América Latina, África, Europa e Ásia.

Foi Ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome do primeiro governo Lula, quando coordenou a implantação do Projeto Fome Zero, um programa de Segurança Alimentar e Nutricional que inspirou políticas públicas similares em diferentes países.

Entre 2006 e 2011, foi diretor regional para América Latina e Caribe e, entre 2012 e 2019, diretor geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Atualmente é diretor geral do Instituto Fome Zero e consultor-sênior do Instituto Comida do Amanhã.

Possui diversos livros e artigos publicados, entre os quais se destacam “O que é questão agrária?” (Editora Brasiliense, São Paulo, 1980) e “Do Fome Zero ao Zero Hunger: uma perspectiva global” (FAO, Brasília, 2019, disponível na web).

José Graziano da Silva

Q

Joseph E. Stiglitz

É um economista americano e professor na Universidade de Columbia. Ele também é copresidente do Grupo de Especialistas de Alto Nível sobre a Medição do Desempenho Econômico e Progresso Social da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e economista-chefe do Instituto Roosevelt.  Recebeu o Prêmio Nobel Memorial em Ciências Econômicas (2001) e a Medalha John Bates Clark (1979), é ex-vice-presidente sênior e economista-chefe do Banco Mundial e ex-membro e presidente do Conselho de Consultores Econômicos (do presidente dos EUA). Em 2000, Stiglitz fundou a Iniciativa para o Diálogo Político, um grupo de reflexão sobre desenvolvimento internacional baseado na Universidade de Columbia. Ele é membro do corpo docente da Universidade de Columbia desde 2001 e recebeu o mais alto posto acadêmico (professor universitário) dessa universidade, em 2003. Em 2011, Stiglitz foi nomeado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Conhecido por seu trabalho pioneiro em informação assimétrica, o trabalho de Stiglitz se concentra na distribuição de renda, risco, governança corporativa, políticas públicas, macroeconomia e globalização. Ele é autor de inúmeros livros e de vários best-sellers. Seus títulos mais recentes são “Pessoas, Poder e Lucros”, “Reescrevendo as Regras da Economia Europeia”, “Globalização e seus Descontentes Revisitados”, “O euro” e “Reescrevendo as Regras da Economia Americana”.

Joseph E. Stiglitz

Q

Luiz Eduardo Soares

Luiz Eduardo Soares é escritor, antropólogo, cientista político e pós-doutor em Filosofia Política. É professor visitante da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), professor aposentado da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e ex-professor do IUPERJ (Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro) e da UNICAMP. Foi bolsista visitante nas Universidades Harvard, Columbia, Virginia e Pittsburgh. Publicou 20 livros, dos quais os mais recentes são “Desmilitarizar: segurança pública e direitos humanos” (Boitempo, 2019), “O Brasil e seu duplo” (Todavia, 2019) e “Dentro da noite feroz; o fascismo no Brasil”(Boitempo, 2020). Foi secretário nacional de Segurança Pública, subsecretário de Segurança Pública e coordenador de Segurança, Justiça e Cidadania do Estado do Rio de Janeiro, além de secretário municipal de Prevenção da Violência em Porto Alegre e Nova Iguaçu.

Luiz Eduardo Soares

Q

Luiza Trajano

Luiza Helena Trajano é presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza. Foi responsável pelo salto de inovação e crescimento que colocou o Magazine Luiza, nas décadas seguintes, entre as maiores varejistas do Brasil.  

Colocar as pessoas em primeiro lugar, atitudes empreendedoras, inovação e criatividade são alguns dos conceitos que sempre adotou e incentivou em sua equipe. Entre os retornos destas crenças e práticas, está a presença do Magazine Luiza no ranking, há 23 anos consecutivos, das “Melhores empresas para se trabalhar”. 

Também atua como Conselheira em 16 diferentes entidades como IDV – Instituto para Desenvolvimento do Varejo, UNICEF e Grupo Consultivo do Fundo de População da ONU no Brasil. Foi eleita Personalidade do Ano de 2020 pela Câmara do Comercio Brasil-EUA. É Presidente do Grupo Mulheres do Brasil, que reúne mais de 80 mil participantes em núcleos distribuídos em todo o país e no exterior. 

Em sua trajetória, vem recebendo centenas de reconhecimentos e premiações como empreendedora, empresária, mulher e líder, como a classificação em 1ª lugar, nos quatro últimos anos, como líder de negócios com melhor reputação no Brasil, segundo a consultoria espanhola Merco, e também como a única executiva brasileira na lista global do WRC – World Retail Congress. O Magazine Luiza possui mais de 1.100 lojas em 18 estados e conta com mais de 47.000 colaboradores. 

Luiza Trajano

Q

Marco Antonio Rocha

Marco Antonio Rocha é economista pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e possui mestrado e doutorado em Economia pela UNICAMP. Atualmente é professor do Instituto de Economia da UNICAMP, foi coordenador do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia do IE/UNICAMP, onde permanece como pesquisador, e também é membro do Centro de Conjuntura e Política Econômica (Cecon-IE/UNICAMP).

Atuou em projetos de pesquisa e como consultor técnico junto ao Ministério de Ciência e Tecnologia, ABDI, IEDI, Ipea e outros órgãos, com foco nos temas relacionados à Economia Industrial, Política Industrial, Científica e Tecnológica e Desenvolvimento Produtivo.

Marco Antonio Rocha

Q

Nilma Lino Gomes

Nilma Lino Gomes possui graduação em Pedagogia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais, mestrado em Educação pela UFMG, doutorado em Ciências Sociais e Antropologia Social pela USP (Universidade de São Paulo), pós-doutorado em Sociologia pela Universidade de Coimbra – Portugal e em Educação pela UFSCAR (Universidade Federal de São Carlos). É professora titular emérita da UFMG, bolsista de produtividade no CNPq, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Ações Afirmativas (NERA/CNPq) e docente do programa de pós-graduação em Educação, Conhecimento e Inclusão Social da FAE/UFMG. Foi reitora temporária da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) entre 2013 e 2014 e ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial, Juventude e Direitos Humanos no governo da presidenta Dilma Rousseff (2015-2016). Dentre suas obras, destacam-se: “A mulher negra que vi de perto” (Mazza Edições); “Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra” (Autêntica Editora), “Para entender o negro no Brasil de hoje”, em parceria com o Prof. Dr. Kabengele Munanga (Global Editora) e o Movimento Negro Educador (Vozes).

Nilma Lino Gomes

Q

Noam Chomsky

É um linguista, filósofo, cientista cognitivo, historiador, crítico social e ativista político americano. Às vezes chamado “o pai da linguística moderna”, Chomsky é também uma figura importante na filosofia analítica e um dos fundadores do campo da ciência cognitiva. Ele é professor laureado de Linguística na Universidade do Arizona e professor emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), além de ser autor de mais de 150 livros sobre tópicos como linguística, guerra, política e mídia de massa.

Noam Chomsky

Q

Pedro Rossi

Professor do Instituto de Economia da UNICAMP e pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (CECON). Formado em economia na UFRJ com mestrado e doutorado na UNICAMP, foi diretor da Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP), foi diretor do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (CECON), foi pesquisador visitante da Unctad/ONU (Genebra/Suíça) e foi professor visitante da Fundan University (Shanghai/China). Atualmente integra a comissão de especialistas da iniciativa internacional Princípios e Diretrizes de Direitos Humanos na Política Fiscal. Atua nas áreas de Economia Brasileira, Economia Política, Macroeconomia e Economia Internacional e sua pesquisa se concentra atualmente nos temas da taxa de câmbio e política cambial e nos impactos da política fiscal nos direitos humanos. Autor do livro “Taxa de Câmbio e Política Cambial no Brasil” e coorganizador do livro “Economia pós-pandemia: desmontando os mitos da austeridade fiscal e construindo um novo paradigma econômico”.

Pedro Rossi

Q

Raquel Rolnik

Urbanista e arquiteta, é professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (Universidade de São Paulo). Foi diretora de planejamento da Secretaria Municipal de Planejamento de São Paulo (1989-92), secretária nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (2003-07) e consultora de cidades brasileiras e latino-americanas. De 2008 a 2014, foi relatora especial da ONU (Organização das Nações Unidas) para o Direito à Moradia Adequada. Atuou como colunista de urbanismo das rádios CBN-SP, Band News FM e Rádio Nacional e do jornal Folha de São Paulo, mantendo hoje coluna na Rádio USP e em sua página no WordPress. É autora, entre outros livros, de “A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo” (Studio Nobel, 1997), “Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças” (Boitempo, 2016) e “Territórios em Conflito – São Paulo: espaço, história e política”.

Raquel Rolnik

Q

Silvio Almeida

Silvio Almeida é graduado em Direito e em Filosofia e doutor em Direito pelo departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da USP (Universidade de São Paulo). Professor de Filosofia do Direito e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, nos cursos de graduação e no programa de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em Direito Político e Econômico. Professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP). Foi professor visitante do Centro de Estudos Latino-Americanos e Caribenhos da Universidade de Duke, onde lecionou as disciplinas “Vidas Negras Importam: EUA/Brasil” e “Raça e Direito na América Latina”. Diretor do Instituto Luiz Gama e advogado. É autor das obras “Racismo Estrutural” (Editora Pólen) e “Sartre: Direito e Política” (Editora Boitempo).

Silvio Almeida

Q

Sônia Guajajara

Sônia é do povo Guajajara/Tentehar, que habita nas matas da Terra Indígena Araribóia, no estado do Maranhão, Brasil. Nascida em 1974, filha de pais analfabetos, deixou suas origens pela primeira vez aos 15 anos, quando recebeu ajuda da Funai para cursar o ensino médio em Minas Gerais. Depois, voltou para o Maranhão, onde se formou em Letras e Enfermagem e fez pós-graduação em Educação Especial.

Sua militância indígena e ambiental começou ainda na juventude, nos movimentos de base, e logo chegou ao Congresso Nacional – onde Sônia Guajajara foi linha de frente contra uma série de projetos que retiravam direitos e ameaçavam os povos indígenas e o meio ambiente. Em poucos anos, ela ganhou projeção internacional pela luta travada em nome dos direitos dos povos originários.

Em 2010, ela entregou o prêmio Motosserra de Ouro para Kátia Abreu, à época ministra da Agricultura, em protesto contra as alterações do Código Florestal. Tem voz no Conselho de Direitos Humanos da ONU e já dez anos leva denúncias às Conferências Mundiais do Clima (COP), de 2009 a 2019, além do Parlamento Europeu, entre outros órgãos e instâncias internacionais.

Sônia Guajajara já recebeu vários prêmios e honrarias, como o Prêmio Ordem do Mérito Cultural 2015 do Ministério da Cultura, entregue pela então presidente Dilma Rousseff. Também foi agraciada com a Medalha 18 de Janeiro pelo Centro de Promoção da Cidadania e Defesa dos Direitos Humanos Padre Josimo, em 2015, e com a Medalha Honra ao Mérito do Governo do Estado do Maranhão, pela grande articulação com os órgãos governamentais no período das queimadas na Terra Indígena Arariboia.

Em 2018, ela foi a primeira indígena a compor uma chapa presidencial e segue articulando a participação e o protagonismo das mulheres indígenas em várias frentes de luta.

No ano 2019, recebeu da Organização Movimento Humanos Direitos o Prêmio João Canuto pelos Direitos Humanos da Amazônia e da Liberdade e ainda em 2019 recebeu o prêmio Packard concedido pela Comissão Mundial de áreas protegidas da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN).

Sônia Guajajara nasceu Sônia Bone e sua trajetória como mulher indígena, guerreira, seguindo na luta pelo meio ambiente e pelos povos originários, fez dela mundialmente conhecida como Sonia Guajajara: o nome de seu povo, que carrega com muito orgulho.

Hoje ela faz parte da Coordenação Executiva da Articulação dos povos indígenas do Brasil (APIB), terminando o segundo mandato (2013/2017) (2017/2021), e ainda compõe o Conselho da Iniciativa Inter-religiosa pelas Florestas Tropicais do Brasil, uma iniciativa que faz parte de um Programa das Nações Unidas.

Sônia Guajajara

Q

Talíria Petrone Soares

Talíria Petrone é mulher negra, feminista, socialista, professora de história pela UERJ e mestre em Serviço Social e Desenvolvimento Social. Deu aula na Maré, em São Gonçalo e em Niterói e a realidade das escolas sempre foi um motivo para ir à luta. Foi da sala de aula que veio a vontade de transformar a sociedade. 

Em 2010, ela conheceu o PSOL e começou sua militância partidária, decidindo, seis anos mais tarde, se candidatar a vereadora em Niterói — cidade onde nasceu e cresceu. 

Na campanha por uma Niterói negra, feminista, LGBT e popular foi eleita a vereadora mais votada da cidade e, por mais de um ano, era a única mulher na Câmara Municipal. Foi presidente da Comissão de Direitos Humanos da Criança e do Adolescente e teve um dos mandatos mais jovens e propositivos da casa. 

Depois da execução política da nossa amiga, companheira de lutas e vereadora Marielle Franco, com quem Talíria iniciou a vida pública, muita coisa mudou! 

Vimos a necessidade de dar consequência política a esse crime que marca nossa ainda frágil e incompleta democracia. Decidimos juntas não ter mais receios de ocupar cada vez mais o poder com os nossos corpos e vozes. Sabíamos que era preciso coragem para avançar na construção da sociedade que queremos. 

Assim, em 2018, Talíria foi eleita deputada federal pelo PSOL, com 107.317 votos — a nona mais votada do estado do Rio de Janeiro. Atualmente, é a líder da bancada do PSOL na Câmara.  

É mãe da pequena Moana Mayalú e entende que é urgente tratar a maternidade como ato político. Como mãe e feminista negra, defende, de forma incansável, mais direitos para as mulheres e também para que o direito ao maternar seja respeitado. Lugar de mãe também é na política! 

Talíria 
Petrone

Q

Tatiana Roque

Tatiana Roque é professora da Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), possui doutorado em História e Filosofia da Ciência pela UFRJ com doutorado sanduíche na Universidade de Paris 7. É coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ e vice-presidente da Rede Brasileira de Renda Básica. 

Tatiana Roque

Q

Valdir Moysés Simão

É sócio do Warde Advogados e doutorando em Direito pela Universidade de Salamanca e Master Universitário em Direção e Gestão de Sistemas de Seguridade Social pela Universidade de Alcalá. Palestrante e professor de pós-graduação em Direito. Membro do Conselho Superior Estratégico da FIESP e do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo.

Foi presidente do INSS, Secretário da Fazenda, Secretário-Adjunto da Receita Federal e Secretário-Executivo da Casa Civil da Presidência da República. Atuou como Auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil por 29 anos. Foi Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e Ministro-Chefe da Controladoria Geral da União.

Valdir Moysés Simão

Q

Yuning Gao

Yuning Gao é professor associado na Escola de Políticas Públicas e Gestão e pesquisador associado no Instituto de Estudos da China Contemporânea da Universidade de Tsinghua. Ele é doutor em Economia da Terra pela Universidade de Cambridge, mestre em Administração e bacharel em Engenharia pela Universidade de Tsinghua. Foi eleito presidente da Associação de Economia Chinesa Europa/UK, membro do conselho do Comitê de Engenharia de Sistemas Sociais e Econômicos da Sociedade de Engenharia de Sistemas da China, e também atua como editor associado da revista Mudanças Estruturais e Dinâmica Econômica. Ele também foi professor visitante na Escola Superior de Economia da Universidade Nagoya e professor associado honorário na Escola de Construção e Gerenciamento de Projetos Bartlett, da Universidade de Londres. Seus principais campos de pesquisa incluem Economia Internacional e Desenvolvimento Internacional, Economia de Recursos e Meio Ambiente e Política.

Yuning Gao

O que você vai aprender no curso
Soluções para o Brasil

Aula 1

Crise Climática e o Green New Deal

Noam Chomsky

Aula 2

Saúde pública em tempos de pandemia

Deisy Ventura

Aula 3

Reforma do Judiciário e o sistema político

Silvio Luiz de Almeida

Aula 4

Segurança pública

Luiz Eduardo Soares

Aula 5

Direito à cidade e política habitacional

Raquel Rolnik

Aula 6

Os problemas do neoliberalismo

Joseph Stiglitz e James Galbrailth

Aula 7

Política macroeconômica e seus impactos sociais

Pedro Rossi

Aula 8

Políticas de combate ao racismo

Nilma Lino Gomes

Aula 9

Desenvolvimento chinês e as lições para o Brasil

Yuning Gao

Aula 10

Política industrial

Marco Antonio Rocha

Aula 11

Questão indígena

Sonia Guajajara

Aula 12

Segurança alimentar e combate à fome

José Graziano

Aula 13

Varejo, comércio e a economia brasileira

Luiza Trajano

Aula 14

Saúde pública e o SUS

Gastão Wagner

Aula 15

O papel do Ministério Público

Deborah Duprat

Aula 16

Política de transparência e combate à corrupção

Valdir Simão

Aula 17

Política para mulheres

Talíria Petrone

Aula 18

A ascensão da extrema direita

Cas Mudde

Aula 19

Segurança pública e questão racial

Deise Benedito

Aula 20

Reforma agrária no Brasil

João Paulo

Aula 21

Renda básica

Tatiana Roque

Aula 22

Populismo de direita no Brasil e no mundo

Benjamin Teitelbaum

Depoimentos

Inscrição

Inscreva-se por até 5 parcelas
de R$ 10,00

Ou assine um plano e acesse todos os conteúdos do Kope

Aulas disponíveis a partir de 24 de julho de 2021.

Perguntas e respostas

Qual a carga horária?

O curso Soluções para o Brasil não tem prazo para terminar, já que novas aulas serão constantemente adicionadas ao programa. Até o momento, todas as videoaulas somam 17 horas, mas esta carga horária deve ser atualizada à medida que novas aulas forem adicionadas à plataforma.

As aulas são ao vivo ou ficarão disponíveis para que cada aluno assista de acordo com a sua disponibilidade?

As aulas são gravadas e começarão a ser disponibilizadas aos alunos a partir de julho de 2021 e ficarão disponíveis por 1 ano.

Qual será o horário do curso?

As aulas serão disponibilizadas de acordo com o cronograma e poderão ser assistidas no horário de preferência do aluno.

É recomendado assistir às aulas nas datas em que serão disponibilizadas? Por quê?

É recomendado assistir às aulas na sequência. A sequência de aulas foi calculada para permitir uma compreensão adequada dos temas, que se sucedem histórica e logicamente. Uma aula é requisito de compreensão da outra, na medida em que traz conceitos que serão necessários em seguida.

Qual o preço total do curso e quais as formas de pagamento?

O valor do curso é de 50,00 reais e poderá ser pago via cartão de crédito, débito bancário, PayPal ou boleto. O parcelamento pode ser feito em até 5x sem juros via cartão de crédito.

Haverá certificado de conclusão?

Sim, um certificado será emitido aos alunos que assistirem a no mínimo 95% das aulas.

Conheça mais cursos

Open chat
Olá, gostaria de mais informações?